KANJI e suas leituras – Por que não é tão exato?

Atenção! Já estamos recebendo pré-matrículas para a turma de 2019 do Programa Japonês Online, nosso treinamento completo para você atingir um nível avançado de japonês. As matrículas acontecem dia 14 de janeiro, clique aqui para saber mais.

O inscrito Rodrigo L. fez a seguinte pergunta em nosso canal de ensino de língua japonesa no YouTube:

Luiz pode me tirar uma dúvida que sempre me ficou na cabeça? Notei que alguns kanjis em nomes tem pronuncias diferentes do que vejo no Jishos, por exemplo 大和 é escrito com os kanjis 大 e 和, mas eles não são lidos como やまと, やま e と ou や e まと、acho que me entendeu. não é o único caso, até nomes dos proprios japoneses tem uma pronuncia de alguns kanjis que não mostra nos jishos. Outra dúvida que não sei se deveria perguntar, mas como nunca descobri o porque é, como 月 pode diabos ser lido como らいと, que é o nome do protagonista de Death Note, sempre pensei que fosse um katakana de Light, não sei se é invenção ou está na regra que citei em cima, mas se souber o porque e me disser eu agradeço.

Você já teve alguma dúvida parecida ou parou para pensar nisso? Vamos a resposta que foi dada ao Rodrigo!


Oi, Rodrigo. Tudo bem?

Na língua japonesa, no que diz respeito a KANJI e suas leituras, as coisas não são tão lógicas e exatas como inicialmente parece. Um KANJI não tem obrigação de aparecer com determinadas leituras. Existem muitas, mas muitas, mas muitas exceções.

Por esse motivo, o mais produtivo (e que os próprios japoneses fazem instintivamente), é focar no aprendizado de palavras frente à análise das informações individuais de cada KANJI. Sendo assim, ao se deparar com a palavra 大和やまと, pouco te ajudará pesquisar quais são as leituras existentes para 大 e quais são as leituras existentes para 和. Isto não te levará a nenhuma conclusão. O que precisamos é sempre pesquisar e analisar a palavra como um tudo.

Sendo assim, 大和 é lido やまと, simples assim, apenas decoramos isso.

Mas qual o motivo de ser assim? Não dá para saber, são razões históricas e cada palavra tem a sua história. É importante lembrarmos que a língua japonesa passou por um processo de milhares de anos de evolução e que a chegada de KANJI foi gradativa, acontecendo em regiões e épocas diferentes.

Sobre a segunda pergunta, a resposta é simples: Licença poética.

O autor quis fazer assim e pronto. Como eu disse, as coisas não são tão exatas, preto no branco, 8 ou 80 ou lógicas.

O autor de Death Note simplesmente quis chamar o personagem de ライト e atribuir a ele o kanji de 月. Isso não significa que ライト é uma das leituras de 月. Se um japonês encontrar aleatoriamente uma frase escrita relacionada ao contexto de Death Note, algo como:

キラは月
O Kira é o Light

Ele nunca saberá ou terá condições de concluir que 月 é lido como ライト, a não ser que tenha FURIGANA ou que alguém diga para ele, ou que ele conheça o contexto da série.

Por esse motivo, é muito comum os japoneses, ao se apresentarem uns aos outros, não apenas escrever o nome, mas informar como ele deve ser lido. Isso porque um mesmo conjunto de letras para um nome pode representar nomes foneticamente diferentes. Os KANJI são bem desvinculados do som.


Isso acontece também no português, mas em baixíssima intensidade. Por exemplo o nome “Allan”. Ao ler esse nome, você não tem como saber se o nome da pessoa é dito “Álan” ou “Alãn”, até que ela mesma te diga. Ou então com a palavra “Colher”, que ao vê-la sem nenhum contexto ou sem nenhuma informação complementar, não temos como saber se ela deve ser lida “Colhér” (o objeto usado para comer) ou se deve ser lida “Colhêr” (o ato de coletar alguma coisa – como em “Colher o arroz”). Só depois que alguém te falar ou você ter um contexto maior é que você saberá o certo.

Em um primeiro momento pode parecer difícil para nós entendermos isso, pois o português usa um sistema de escrita 100% fonético, onde uma única letra não tem um significado atrelado a ela que não seja o próprio som, e que um conjunto de letras pode ter apenas um único som.

Para entender a língua japonesa, precisamos quebrar esse paradigma, de que o som de cada letra é uma coisa absoluta e imutável.


Alguma dúvida sobre o conteúdo desta aula? Deixe nos comentários!

Bons estudos! =)

Últimos comentários
  1. Ailton 3 de julho de 2018
    • Luiz Rafael 5 de julho de 2018
  2. Eder 12 de julho de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *