Formas diferentes de dizer a mesma coisa – Sinônimos em Japonês

Atenção! Já estamos recebendo pré-matrículas para a turma de 2019 do Programa Japonês Online, nosso treinamento completo para você atingir um nível avançado de japonês. As matrículas acontecem dia 14 de janeiro, clique aqui para saber mais.

Às vezes você se depara com uma frase em japonês que diz exatamente a mesma coisa que uma outra frase que você já conhece. Então você fica confuso, e começa a perguntar: “Mas isso não se diz assado?”, “Mas eu não poderia trocar X por Y?”.

Você perde o seu precioso tempo fazendo estes questionamentos, racionalizando demais em cima do idioma. Usando um tempo que poderia usar para apenas absorver e ir para a próxima.

Você faz isso porque você se acostumou a tratar a língua japonesa como algo matemático, como algo exato, como peças que só podem se encaixar de uma única forma. A língua japonesa não é um brinquedo de montar, mas sim é tão viva quanto qualquer outra língua.


No português, você faz isso com extrema naturalidade. Se eu chego para você e digo:

“Olá. Tudo bem?”

Você não para tudo e questiona:

“Você não poderia me cumprimentar com “E aí, beleza?”?”

Você instintivamente sabe que existem infinitas formas de dizer a mesma coisa. Qualquer frase pode ser recriada de N formas diferentes, transmitindo a mesma ideia ou mudando apenas pequenas nuances.

Experimente fazer o seguinte exercício: Primeiro pegue uma frase em português qualquer. Depois, veja quantas variações dessa frase você consegue fazer transmitindo a mesma ideia, com a mesma essência.

Por exemplo, a frase pode ser:

“Ele tem uma voz igual a de uma criança.”

A partir dela, podemos começar a variar:

  1. “Ele tem uma voz como a de uma criança.”
  2. “Ele tem uma voz que parece com a de uma criança.”
  3. “A voz dele parece de criança.”
  4. “A voz dele é igualzinha a de uma criança.”

Veja que as possibilidades são infinitas!


Trocando algumas palavras, trocando a estrutura da frase e usando formas gramaticais diferentes, nós conseguimos criar dezenas de variações transmitindo praticamente a mesma mensagem.

Um exemplo clássico são as palavras ところ e しょ. Ambas significam “Lugar”. No próprio português nós podemos falar “Lugar” ou “Local” sem praticamente nenhuma perda de sentido, veja:

  1. “Qual o lugar da reunião de hoje?”
  2. “Qual o local da reunião de hoje?”

Sim, no japonês também existem sinônimos, assim como em todas as línguas. Sinônimos são palavras diferentes com o mesmo significado. Mas eu gostaria que você pensasse no conceito de sinônimo não apenas no nível das palavras, mas também no nível das frases.

Uma mesma ideia em japonês pode ser transmitida de inúmeras formas diferentes, variando as estruturas e as palavras utilizadas!

Veja agora a seguinte frase em japonês:

ほんはなせます。
Eu consigo falar japonês.

Nesta frase, temos o verbo “Falar” na Forma Potencial. Você provavelmente já aprendeu essa forma, que mostra nossa capacidade ou potencial de realizar uma ação.

Será que seria possível transmitir esta mesma ideia com uma frase levemente diferente? Com certeza sim!

ほんはなすことができます。
Eu consigo falar japonês.

Neste caso, deixamos o verbo “Falar” na forma de dicionário e adicionamos o ことができる. Esta estrutura transmite exatamente o mesmo significado do verbo na forma potencial (mas desta vez não podemos escolher entre o を ou o が para o objeto).

Quando usar um ou quando usar outro? Quando você quiser! O que vier primeiro na sua cabeça!

“Por que o personagem de um dos textos com áudio falou assim e não assado?” Porque ele quis! Foi o que veio na cabeça dele, é o hábito dele, é a preferência dele (e provavelmente ele nem raciocinou em cima disso).

Podemos continuar expandindo:

ほんできます。
Eu sei japonês. (Literalmente “Eu consigo japonês.”)

Agora de forma mais simples, comendo a partícula, sem usar o verbo “Falar” mas usando o verbo “Conseguir”. Esta frase transmite exatamente a mesma ideia e você encontrará gente falando assim!

Você não precisa ficar confuso ou buscar uma diferença entre as duas frases (pois na maioria das vezes não existe, é só preferência do autor).

Quando você se pegar questionando qual é a diferença entre X e Y, lembre-se da naturalidade da qual você encara isso no português, lembre-se das centenas de sinônimos que existem em nossa própria língua e de como podemos criar infinitas frases diferentes dizendo a mesma coisa.


Alguma dúvida sobre o conteúdo dessa aula? Deixe nos comentários!

Bons estudos!

Últimos comentários
  1. Bruno Oliveira 18 de junho de 2018
  2. Amanda 18 de junho de 2018
  3. Marcos Toku 18 de junho de 2018
  4. Sabino Santos 18 de junho de 2018
    • Luiz Rafael 20 de junho de 2018
  5. leticia 18 de junho de 2018
  6. Gabriel Titoto 19 de junho de 2018
    • Luiz Rafael 20 de junho de 2018
  7. Cláudio hase 12 de julho de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *